espírito

O espírito tem cor? Qual a cor do nosso espírito?

De acordo com O Livro dos Espíritos, de Allan Kardec, o espírito é ‘uma chama, um clarão, ou uma centelha etéra’. Imortal e quem realmente somos. Dá vida ao corpo físico, maior ferramenta que temos para a evolução do ser, diante dos desafios necessários. Ou seja, estamos em processo de aprendizado só possível com as limitações impostas pela matéria, sofrendo as consequências de tempo e espaço.

Qual a cor do espírito?

Ainda segundo Kardec, o espírito ‘tem uma coloração que, para vós, vai do colorido escuro e opaco a uma cor brilhante, qual a do rubi, conforme o Espírito é mais ou menos puro’.

‘Representam-se de ordinário os gênios com uma chama ou estrela na fronte. É uma alegoria, que lembra a natureza essencial dos Espíritos. Colocam-na no alto da cabeça, porque aí está a sede da inteligência’.

Forma de se apresentar

O espírito pode se apresentar da maneira que nos lembramos dele. Ou com a aparência necessária para o exercício da sua atual missão. Assim, sendo moldado pela espectro energético de onde se encontra.

Mas pode também ser por razões íntimas desconhecidas publicamente.

O que realmente importa é o sentimento. É a ‘assinatura’ do espírito, que pode ser percebido mesmo sem ser visto. Se torna inconfundível, em um sonho por exemplo, quando sentimos a presença de um ente querido.

Transporte pelo pensamento

De acordo com o Espiritismo, a alma se transporta junto com o pensamento, levando o ser para toda parte. Ou seja, a característica da sutileza da essência do nosso espírito.

E ele irradia como o sol. Sem se dividir, pode estar em vários locais ao mesmo tempo. É o caso de trabalhadores espirituais em várias frentes, ao mesmo tempo, em diferentes casas espíritas.

Ou seja, pensar é praticamente tudo. Início da caminhada para a reforma íntima.