Connect with us

NOTÍCIAS DO BEM

Ensaio da obra de Chico Xavier premiado nos Estados Unidos

Published

on

chico xavier

O ensaio ‘A mediunidade como melhor evidência da vida após a morte: Francisco Cândido Xavier, um corvo branco’ foi um dos 29 premiados em concurso promovido pelo Bigelow Institute for Consciousness Studies (Bics). Os autores brasileiros Alexandre Caroli Rocha (pesquisador da área de estudos literários), Raphael Casseb (físico e neurocientista) e Marina Weiler (bióloga e neurocientista) defendem a obra de Chico Xavier para responder questionamento do instituto sobre a continuidade da consciência humana.

Obra de Chico Xavier premiada

Ao todo, concurso recebeu 204 ensaios de 38 países, distribuindo US$ 1,8 milhão, informa O TEMPO. No caso do trio brasileiros, a defesa da sobrevivência da mente. ‘Nas quase 70 páginas do nosso ensaio, tentamos juntar evidências fortes para a hipótese da sobrevivência, conforme a proposta do concurso. Optamos por escrever sobre a obra de Chico Xavier porque ela é riquíssima em fornecer essas evidências e dão pouca margem a outras explicações sobre a maneira em que ele teria acesso às informações’, observa Wieler.

‘E, ao dividirmos a obra do médium em três grandes grupos, classificando de acordo com a demanda intelectual e estratégia literária exigida, fica mais fácil visualizarmos isso’.

Legado genuíno

‘Os livros classificados no primeiro grupo contêm enorme quantidade de informações históricas, biológicas, filosofia, entre outros. Os livros classificados no segundo grupo recapitulam incrivelmente a temática e o estilo literário dos autores em vida’.

‘Já as cartas do terceiro grupo contêm informações privadas, como nomes, sobrenomes, apelidos, nomes de ruas, descrições de casas, descrições do momento da morte, entre outros. Muitas vezes, essas informações eram de conhecimento apenas da pessoa falecida’.

O consolo além do tempo

Ou seja, além do espaço, a obra de Chico Xavier rompe o tempo. Assim, consolando não apenas mães que viram seus filhos partirem antes. Mas igualmente para aqueles que buscam entendimento do agora.

Em outras palavras, de que maneira esse instante pode transformar tudo para sempre. Dessa maneira, o reconhecimento que o poder sempre estará em nossas mãos. Mas inicialmente em nossa consciência, inteiramente imortal.

A continuidade da obra de Allan Kardec, através do legado não apenas de Chico Xavier, mas também de nomes como Eurípedes Barsanulfo e Bezerra de Menezes, tem rendido enormes frutos. Calcula-se em 4 milhões o número de espíritas no país.

O que tem rendido inúmeras homenagens, a exemplo de projeto que aguarda sanção presencial. O Brasil ganharia o Dia Nacional do Espiritismo, em 18 de abril, dia de lançamento, em 1857, do ‘Livro dos Espíritos’, em Paris.

Em abril deste ano, Chico Xavier foi incluído no Livro dos Heróis e Heroínas da Pátria.

Hoje respeitado por diferentes religiões

Embora o preconceito ainda seja uma realidade, temos diversos exemplos de respeito ao trabalho de amor deixado por Chico Xavier. Mesmo de quem não é espírita, após décadas de desconfiança e ataques dos mais diversos.

Assim, mostrando que somos todos irmãos em Cristo, em Deus. Pois na verdade nem sempre iremos encontrar as respostas que desejamos, ao mesmo tempo, e no mesmo caminho.

Todos caminhos levam a Deus

Em conclusão, mesmo quem não pratica o bem está trilhando um caminho — embora mais longo — até um dia reajustar sua rota para Deus. Estamos todos nos conhecendo e a sabedoria espiritual é essencial, independente da religião.

Por isso, Chico Xavier se dizia um ‘Cisco de Deus’, nos trazendo um pouco de luz para a caminhada interior. Mas ele mesmo sempre deixava claro que estava em processo de aprendizado. De força para acessar a essência que volta a nos conectar com o Criador.

Chico Xavier e São Francisco de Assis

‘Chico é a semelhança de São Francisco de Assis, exatamente esse ícone que se assemelha imensamente ao Mestre incomparável. Na Doutrina Espírita ninguém substitui ninguém’.

Em outras palavras, Divaldo reconhece a alma humana de Chico entre nós e também reconhece sua ‘pequenez’ diante de todo o trabalho que ainda se tem a fazer. Ou seja, somos ‘ciscos de Deus’, expressão muito usada por Chico Xavier.

Continuar Leitura
Advertisement

Facebook

Mais acessadas