Connect with us

ARTIGOS

A novela com base em livro de Chico Xavier que ficou ‘esquecida’

Published

on

Poucas pessoas lembram de uma novela da Bandeirantes, Renúncia, que foi baseada no livro de Chico Xavier (Emmanuel, 1944): a trama foi ao ar entre 30 de agosto e 12 de setembro de 1982, com apenas 12 capítulos, após baixa audiência. Ainda de acordo com o jornalista Thell de Castro, da TV História, o folhetim simplesmente saiu do ar, sem aviso, com a chegada o Horário Eleitoral.

A novela ‘esquecida’: livro Renúncia, de Chico Xavier

A novela de Geraldo Vietri substituiu Ninho da Serpente, mas em menos de duas semanas foi substituída por Sabor de Mel. No livro, Emmanuel narra história de Alcione na Paris do reinado de Luís XIV. Uma história de renúncia e dedicação.

Atores conhecidos do grande público formavam o elenco da novela: Elias Gleizer, Fúlvio Stefanini, Barta Zemel, além de Geórgia Gomide, Serafim Gonzalez, Laura Cardoso e Yara Lins.

O sucesso de ‘A Viagem’

O maior sucesso das novelas brasileiras com temática espírita foi de ‘A Viagem’, de Ivani Ribeiro, exibida em 1994 pela TV Globo. Ela já foi reexibida cinco vezes, incluindo o canal fechado Viva. Mas a versão original é da extinta TV Tupi, de 1975.

Entretanto, nada comparável a versão com Dinah (Christiane Torloni) e Otávio Jordão (Antonio Fagundes). Pela primeira vez, o grande público no Brasil conheceu a palavra ‘Umbral’ – passagem de Alexandre (Guilherme Fontes) e como o Espiritismo entende as etapas da vida após a morte do corpo físico.

Os livros que influenciaram

Na novela da Globo, que teve direção de Wolf Maya e colaboração de escrita de Solange Castro Neves, dois livros tiveram grande influência. ‘E a Vida Continua (1968)’, mas também o clássico ‘Nosso Lar’ (1944), ambos de André Luiz.

Em conclusão, uma oportunidade única de popularizar um conhecimento que pode simplesmente adormecer nos livros. Mas também despertar a curiosidade, a busca pela sabedoria espiritual na literatura espírita. Assim, alcançando a maturidade da fé raciocinada e pró-ativa. Afinal, o despertar é sempre interior.

Continuar Leitura
Advertisement

Facebook

Mais acessadas